Caminhos da Alma

Conheça profundamente a sua alma

Você já percebeu como muitas vezes nos abrimos ou nos retraímos para certas pessoas naturalmente? Às vezes, alguém se aproxima e nos sentimos tão confortáveis com a sua presença que, em questão de minutos, estamos interagindo como se nos conhecêssemos há anos, alcançando um completo rapport de almas.


outras vezes, porém, quando o “santo não bate” sentimos uma rejeição tamanha àquela energia que não conseguimos, de forma nenhuma, nos sintonizar com o outro e criar um vínculo com ele.

O mesmo acontece quando outra pessoa sente simpatia ou repulsa por nós. De alguma forma captamos esta frequência positiva ou negativa e entendemos quando as portas estão abertas ou fechadas para nós. Neste sentido, podemos chamar esta conexão ou falta dela de “movimentos da alma”, uma expressão humana que se manifesta espontaneamente em nossas relações interpessoais. Esta energia também pode ser sentida na integração com as plantas, animais, da gente com a gente mesmo e com o universo.

Tenho certeza de que já viveu muitas situações assim, pois o fato é que algo em nós sempre acende ou apaga quando uma pessoa se aproxima. Em alguns casos, tenho certeza que você esteve completamente aberto a receber e a se conectar com o outro. Noutras vezes, não encontrou espaço para se abrir ou ainda não teve sintonia suficiente, escolhendo assim se fechar em seu mundo. Até aí tudo bem, afinal, não podemos nos forçar ou forçar os outros a terem uma relação sem conexão. Para dar certo é sempre importante deixar fluir naturalmente.


Entretanto, quando este processo de fechamento acontece de forma constante e a pessoa se tranca em seu mundo não por conta da falta de afinidades, mas de traumas e acontecimentos negativos não ressignificados, é fundamental trabalhar sua dor para que seu medo de se relacionar não a leve ao isolamento total de tudo e de todos. O papel do terapeuta neste processo é o de auxiliar a pessoa a compreender as fontes deste problema e encontrar mecanismos efetivos para eliminar seus bloqueios, dores e dificuldades, de modo a permitir que ela viva os movimentos da alma de forma natural, espontânea e positiva.

Segundo o autor alemão, Johann Wolfgang Von Goethe – “Quando uma criatura humana desperta para um grande sonho e sobre ele lança toda a força de sua alma, todo o universo conspira a seu favor.”. Portanto, despertar a alma é essencial para conquistarmos o nosso melhor e vencer os nossos fantasmas. Quando nossa alma se expande, se expandem também as nossas possibilidades e podemos, então, ocupar novos espaços e construir novas histórias. Assim, quando por algum motivo, consciente ou inconsciente, aprisionamos o nosso espírito, tudo em nós e ao nosso redor se aprisiona também. É preciso libertar-se!

Esta libertação permite que nos conectemos verdadeiramente com pessoas, animais ou coisas, e é uma forma poderosa de ampliarmos nossa percepção fenomenológica da realidade. Na prática, esta é uma oportunidade de compreendemos que tanto o indivíduo é formado pelo mundo como o mundo é formado pelo indivíduo. Ou seja, somos parte um do outro e nos complementamos mutuamente.

Quando, por exemplo, estamos em contato com a natureza, ao mesmo tempo em que a observamos, somos parte dela. Neste momento, nos abrimos para a nossa alma viver aquela experiência de apreciação, para encontrar assim, um espaço na própria dimensão da alma e se conectar com o todo. Esta não é uma experiência meramente individual, pois amplifica a sintonia em todas as direções. Não é sobre ter uma alma, mas sobre pertencer a uma!


Isto é exatamente o que o mestre Bert Hellinger nos ensina. Segundo o psicoterapeuta alemão – “A alma não está dentro de nós, mas à nossa volta.” Para entendermos o poder dos Movimentos da Alma temos, então, que compreender isso, uma vez que é deste modo que esta energia que vive em nós pode se expandir e se ampliar verdadeiramente em todos os sentidos. Em outras palavras, o que Bert quer dizer é que – pertencemos à alma, mas a alma não pertence a nós.

Por isso mesmo, a alma deve ser compreendida como uma dimensão única do ser humano, um campo onde ele tanto habita como transita, onde ela existe tanto dentro como fora de nós, contemplando tudo ao nosso redor. Portanto, a alma não pode ser encontrada num determinado lugar, uma vez que ela é a energia em movimento que nos sintoniza e conecta com o outro, conosco e com o mundo em que vivemos. Deste modo, quanto mais você estiver aberto a viver todas as suas dimensões, mais a sua alma se expandirá e se vinculará.

Neste sentido, podemos afirmar, sem erro, que o nosso crescimento espiritual está diretamente relacionado ao movimento de expansão da nossa alma. Quando nos permitimos experienciar este processo de evolução, nós conseguimos, então, compreender nossa verdadeira identidade, aquilo que somos, pensamos e sentimos; decifrar o nosso papel no mundo e enxergar, com mais clareza, o nosso propósito de vida.